Última atualização em 5 de junho de 2020 às 6:26 PM por Consórcio Nordeste


“Rota Azul” prevê também a instalação de postos de combustíveis capazes de fornecer gás natural liquefeito para veículos de carga

Considerado combustível de transição da economia de carbono, em razão das vantagens econômicas, a criação de uma “rota” de gás natural no Nordeste foi, nesta segunda-feira (18), um dos destaques da missão internacional do Consórcio Nordeste, em Paris, em reunião com representantes da Golar Power, joint venture entre a norueguesa Golar e o fundo norte-americano Stonepeak.

Chamado de ‘Rota Azul’, o projeto de integração no Nordeste inclui a instalação de postos de combustíveis capazes de fornecer gás natural liquefeito (GNL) para veículos de carga. China, Espanha e Alemanha são alguns dos países em que caminhões e ônibus movidos a gás natural já são realidade. Um dos principais benefícios do uso de GNL é a redução da emissão de poluentes.

Segundo o vice-presidente da Golar no Brasil, Marcelo Sacramento, o plano de trabalho da empresa prevê inúmeras oportunidades de investimentos. “A disponibilidade do gás para carros e caminhões nas rodovias do Nordeste irá gerar uma nova dinâmica no transporte da região. Novas empresas irão se instalar e as já existentes vão ganhar competitividade”.

Quando condensado, o gás natural pode ser transportado em carretas ou navios gaseiros. Dessa maneira, é possível atender a demanda de localidades que não possuem gasodutos. A princípio, os corredores da “Rota Azul” interligariam São Luis (MA) a Mucuri (BA), por meio das BRs 101, 304, 116, 222, 343, 316 e 135, e Fortaleza (CE) a Vitória da Conquista (BA).
“É muito importante esse conjunto de investimentos estruturadores na região Nordeste, sobretudo por se tratar de um combustível menos poluente”, disse o governador de Pernambuco, Paulo Câmara.

Hoje, o Nordeste tem uma grande malha de gasodutos cobrindo o litoral e a maior malha de rodovias do Brasil. Além disso, possui complexos portuários com infraestrutura para atender a demanda interna e externa.

Aproveitando ainda a ida à França, os governadores nordestinos se reuniram com a Voltalia, grupo francês que investe em energias renováveis em 20 países, incluindo o Brasil. No Nordeste, a empresa possui atividades no Rio Grande Norte.

Os estados nordestinos se destacam pela presença expressiva de fontes renováveis de energia. A fonte eólica já é responsável por 29% da matriz elétrica da região. Já a solar responde por 3%.

Além da França, os governadores nordestinos passam ainda pela Itália e pela Alemanha até sexta-feira (22). “Essa missão internacional é bastante representativa na história do Brasil porque estamos conseguindo unir nove estados em uma viagem única para buscar no exterior o desenvolvimento do Nordeste. A ideia é mostrar aos investidores estrangeiros o potencial que temos em áreas como turismo e energia renovável. A perspectiva é gerar ainda mais emprego e renda para nosso povo”, salientou presidente do Consórcio Nordeste e governador da Bahia, Rui Costa.

Categorias: Notícias